segunda-feira, 25 de julho de 2016

Feliz usuária do canguru Ergobaby!





Eu preciso compartilhar com vocês sobre o canguru da Ergobaby.
Comprei um canguru (baby carrier) da marca Ergobaby e estou feliz e muito satisfeita com ele. Eu já comprei muita coisa nessa vida de mãe que pouco usei ou nunca usei de fato. Já tive pelo menos uns três tipos de sling, wrap, canguru ou coisa do gênero. Minha irmã sempre acha graça das minha marmotas. Mas é bem verdade que o clima de Manaus não ajuda, é muito quente e não há quem saia enrolada em panos... risos.
Quando ficou tudo certo pra virmos pro Porto eu já sonhava com um Ergobaby mas pelo preço, ele nunca foi o número um da minha lista de prioridades. Então, num belo dia o marido avisou que tínhamos muitos pontos no "Km de vantagens" dos Postos Ipiranga, que eu deveria ver se algo me interessava. Foi assim que adquiri meu Ergobaby, no site do Walmart, pagando com pontos do programa. Gastei pontos equivalentes a mais ou menos R$700.

Pra minha tristeza, o canguru só chegou em Manaus depois da nossa partida. Fiquei de Março a Junho lamentando não estar usando o canguru. O Daniel não acreditava quão útil seria o tal canguru de ouro...risos. O Porto é uma cidade que tem acessibilidade para todo o canto que se vá. Nos viramos muito bem com o João no carrinho. Andamos de ônibus, bonde e metrô sem precisar fechar o carrinho. Andamos pelas ruas do centro empurrando o carrinho ladeira a baixo, ladeira a cima. Ah, como eu queria o meu Ergobaby!

O chato do carrinho é que quando o menino não quer mais ficar nele, você tem que dar conta do menino e do carrinho vazio. E com quatro filhos, tudo o que eu quero (e preciso) são as minhas mão livres.
Foi então que a tia do marido veio ter conosco e trouxe a minha encomenda Que dia mais feliz!!!
Meu tão sonhado canguru estava em minhas mãos. Obrigada, Senhor!!!
Desse dia em diante, nunca mais houve uma foto em que eu não esteja com o novo acessório amarrado a cintura. Ganhei autonomia!!! João vai "grudado" em mim e eu ainda posso dar as mão a mais dois meninos. Já rodamos todo o Porto novamente com o João no Ergobaby.

Mas, Elene, e as costas não doem??? Não, incrivelmente não sinto dor nas costas. Mas é bem verdade que ao fim do dia estou com as pernas em frangalhos, são dez quilos amarrados a mim subindo e descendo ladeira. Mas eu não deixo de usar porque a funcionalidade é incontestável. João dorme melhor aconchegado a mim do que com os solavancos do carrinho. Eu amo meu Ergobaby e sem dúvida nenhuma foi uma das melhores compras que fiz pra essa viajem.

Por que o (modelo) Original e não o 360?

Eu tenho meio agonia de bebê com braços e pernas soltos pra frente. Voltado pra mim, eu tenho a sensação de aconchego e proteção. Fora que normalmente o João adormece e dorme muito. Como é que faz quando o bebê dorme virado pra frente? O modelo original ainda me dá opção de carregar o bebê de lado e nas costas.  Eu só uso nas costas quando estou em casa, na cozinha. Mas enfim. Eu sou uma feliz usuária do baby carrier da Ergobaby. Só queria dizer isso!

beijos e beijos.

Elene Lima.


Procurando morada no Porto (Pt)?


Antes de sair do Brasil:

Entre em grupos de interesse no facebook, tipo, da cidade que você vem morar, da faculdade ou curso que você vem cursar, da freguesia ou da igreja, por exemplo.
Interaja e pergunte nos grupos! Não sem antes dar uma olhada geral e ver se o que você está perguntando já não foi respondido repetidas vezes. 

Muitas vezes, só lendo os comentários nos grupos, encontrei resposta pro que estava querendo saber. E quando interagi, percebi que muita gente também estava querendo saber ou mesmo tinha algum comentário sobre o assunto. É bem legal!
Foi também num grupo de facebook que atentei para alguns detalhes na hora de arrendar uma morada. Tipo:

Quem mora vizinho de igrejas ouve os sinos de hora em hora, e quando da missa de corpo presente o sino toca alguns longos minutos vigorosamente. Se você tem bebê ou se encomoda com barulhos de sinos é bom atentar.

Alguém deu dica de visitar o imóvel em questão à noite, quando os barulhos aparecem (rangidos, vizinhos barulhentos, latidos, fumaça de cigarro).

Quem mora no rés de chão, ouve a porta do prédio abrindo e fechando um sem números de vezes. Gente chegando e saindo, falando alto, risadas.  Se você tem bebê ou sono leve é bom atentar também. Mas tem um lado super positivo também. Geralmente quem mora no rés de chão tem uma área extra, um quintalzinho, um jardim na parte de trás, o que é muito bom pra quem tem crianças.

Casas antigas geminadas não tem tratamento no piso. Outro dia, meu marido presenciou a conversa exaltada de duas vizinhas. A moradora de baixo queixava-se do barulho da moradora de cima.

Morar muito próximo ao trilho do trem. O trem de carga, por exemplo, viaja de madrugada também. Aí, você imagina o barulho no silencio da noite.

Por vezes, o apartamento está para arrendamento  mas a garagem não.

Visite o apartamento mas não esqueça de dar uma volta pelo entorno. Observe se tem comércio (farmácia, talho, mercearia, pastelaria, etc), transporte a porta, escola para as crianças, parque infantil, praça.

O apartamento mais feio (velho e mau cuidado) que visitamos foi na Boa Vista. Logo na Boa Vista! O mais bonito foi em Leça da Palmeira, mas era muito distante de tudo (escola, supermercado, transporte) pra nós que não teríamos carro.

Hoje, moramos num T3 em Pedrouços que não é lá a melhor freguesia da Maia. Mas o prédio é relativamente novo, bem cuidado e bem situado. Pela proximidade ao Hospital São João o barulho de sirene das ambulâncias é constante mas já acostumamos. Sentirei saudade daqui.


beijos e beijos.
Elene Lima.





  

terça-feira, 21 de junho de 2016

Se têm dente, vai-se ao dentista, pois não?!

Agendei consulta pra Fernanda numa clínica de medicina dentária como eles ( os portugueses) chamam aqui, mas dormi encafifada e ao acordar cancelei.
Devo ou não devo desconfiar de uma médica dentista que não quis agendar consulta para um bebê de 15 meses porque não há o que fazer na boca de um bebê tão novinho. 
Hello, o João tem OI-TO dentes, quatros desde os seis meses de idade. E se ele tiver "cárie de mamadeira"?... Sei lá. Ela não aceitou nem olhar. Pra completar a secretária perguntou se a criança de quatro anos deixaria fazer algo na boca. Oi?!?! 

Os dois menores, pela idade, tem direito ao cheque dentista. O tal cheque foi dado pela médica pediatra do centro de saúde e ela ainda ressaltou: "faz bem ir desde cedo pra perder o medo."
Mas tudo certo, já liguei pra outra clínica que não criou caso nenhum. 
Agora vou orar pra Fernanda deixar uma outra pessoa que não a doutora Gimol, tocar-lhe os dentes.

Beijos e beijos 
Elene Lima 


Palavra Cantada - Vai e Vem das Estações





Quando toca na TV a gente corre pro sofá e canta junto. Música fofa que já marcou nossa fase Portugal.



beijos e beijos.

Elene Lima.

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Nossa morada no Porto (Pt). Encontrar pode ser bem demorado,

O apartamento que alugamos no Porto, pelo Airbnb era maravilhoso, eu queria morar lá...risos. Era super espaçoso, bem localizado, novo e bonito mas o proprietário não alugava por longo período de tempo.
 Os dias que se seguiram foram de procura por um novo endereço, um lugar pra desfazer as malas de fato. Gostamos muito de morar nos Maninhos, na Maia, mas infelizmente não havia tantas ofertas de imóveis nas condições de que precisávamos (t3 ou t4, mobilado, com transporte à porta).
Foram dias tensos de procura nos sites (Olx, Casa Sapo, Imovirtual). Quando avistávamos uma placa de arrenda-se, anotávamos o contato e ligávamos em seguida.
Visitamos imóveis em:

Leça da Palmeira (apartamento muito bonito, sala ampla mas muito isolado pra quem não tem carro),
na Boa vista (o apartamento antigo caindo aos pedaços) e um outro muito bem localizado (tinha escola bem a frente, mas não tinha aquecimento central, nem elevador)
uma casa na Maia (enorme! Dois andares, uma escada em madeira nobre linda e área externa maravilhosa. Era muito mais do que precisávamos).
um apartamento no centro da maia (perfeito!!!, mas já havia uma proposta de aluguel antes da gente).
uma casa de praia em Árvore, Vila do Conde (super isolada, congelante e sem aquecimento central).
um apartamento ao Hospital São João (perfeito para o Daniel sozinho).

Até que um dia, o Daniel achou no Casa Sapo, uma opção de aluguel. Visitamos e gostamos. Quem alugava era o próprio proprietário o que tornou a negociação bem mais fácil. Uma calção mais uma renda e na noite do dia 21 de Março, já dormimos no nosso novo endereço. Um duplex, T3, próximo ao Hosp. São João com transporte a todo lado.

Sei de gente que passou sufoco maior. O tempo corre e não é fácil ficar perdendo dinheiro com hotel. Mas enfim, essa foi a nossa história, a nossa bênção.

Obrigada, Meu Deus, pelo teu cuidado para conosco.
beijos e beijos.

sábado, 28 de maio de 2016

Nossa chegada no Porto, Portugal.

Eu preciso registrar nossa chegada aqui, no Porto. Porque eu não quero ser traída pela memória e esquecer os detalhes deste dia memorável.

Desembarcamos no Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, por volta das oito horas da manhã (horário local). Sobre o aeroporto eu não saberia dar maiores impressões porque né, eu tinha muita criança pra dar conta. Só lembro que era grande, que andamos pacas e deu tudo certo.

Sabe aquela sensação de abandono de quando você sai no saguão do aeroporto e não tem ninguém te esperando? Quando você sorri amarelo e finge estar tudo bem, que você sabe pra onde seguir... pra que lado fica a cooperativa de Taxis...risos.  Então, nós não passamos por isso e eu conto porque.

Quando saímos no saguão do aeroporto, eu e Daniel, cada um como uma mochila monstra nas costas, um carrinho apinhado de malas mais três crianças e um bebê, todos tremendo de frio, lá estava ela! A pessoa querida que mesmo num dia frio e chuvoso de inverno, se dispôs a buscar uma família de amazonenses que ela só conhecia via Whatsapp e Facebook. Foi um colega de trabalho do Daniel quem nos apresentou e colocou-nos em contato.

Ela seguiu conosco de táxi, do aeroporto até os Maninhos, na Maia, onde ficava o apartamento que alugamos via Airbnb. Ela ficou conosco todo aquele dia. Me acompanhou ao supermercado de baixo da chuva fina e gelada que caia, me orientou nas primeiras compras, preparou nosso almoço e só nos deixou à noite, depois que já estávamos jantados e bem instalados.




Nunca, nunca vou poder retribuir tamanho favor! Quando se tem filhos, a gente só pensa no bem estar deles, se eles estão bem, nós estamos bem. Naquele dia, meus filhos almoçaram e jantaram comida. Num dia que tinha tudo pra ser um caos mas foi uma bênção.

A vida me ensinando a aceitar e pedir ajuda.

Deus abençoe a vida da Andréa e do José!



beijos e beijos.
Elene Lima.


quarta-feira, 18 de maio de 2016

Estamos em Portugal!

Praia de Matosinhos, Porto - Portugal.

Oi, gente amiga! Sim, estamos em Portugal. Mas precisamente no grande Porto, na cidade da Maia.
Estaremos por aqui, se Deus permitir, até o término do Pós-doutorado do Daniel.

Pra quem não lembra, o Daniel ganhou o Prêmio CAPES de Teses 2013. Passou-se 2014 todo, e no segundo semestre de 2015, começamos a nos preparar para o Porto, onde o Daniel cursaria o Pós-doc na Faculdade de Economia da Universidade do Porto - FEP.

A espera foi longa, ficamos na dependência da CAPES dar andamento ao processo e o que parecia acontecer em Outubro de 2015, só aconteceu em Março de 2016. E, quando a CAPES deu o okay eu vi que a além da vontade de viajar pra Portugal, eu não tinha mais nada pronto... hehehe.

Foi ficar sabendo que já poderia viajar, comprar passagens, arrumar as malas a casa e partir. Tudo em uma semana. Parecia que eu estava fugindo, nem me despedi da família maior nem dos amigos. Fiquei triste com isso. Mas pronto, como dizem os portugueses.

Cá estamos e eu tenho um monte de coisas pra compartilhar com vocês ou apenas registrar nesse meu grande diário virtual.

Volto em breve.
beijos e beijos.

Elene Lima.